Ser feliz

 

Ao ver Luana e Mariana brincarem jogando água em si mesmas com copos pensei no quanto as crianças não precisam de muito para ser feliz, o sorriso e a gargalhada vieram fácil e como disse a Luana nesse dia: “esse foi o melhor dia da minha vida!”, ela diz isso toda vez que se diverte muito. Graças a Deus ela tem dito isso com uma certa frequência.  Davi também tem o “sorriso frouxo”, dá gargalhada com um episódio de seu desenho favorito e ri sozinho enquanto inventa estórias com seus brinquedos.

Leia mais

A arte francesa de mandar tudo à merda- Fabrice Midal

Depois que pedi exoneração do meu cargo no Fórum de Campo Grande, sempre tive dificuldade para dizer qual era minha profissão, quando fazia faculdade e depois estudando para concursos dizia que era estudante, depois que tive as crianças e ficava somente em casa cuidando delas e dos afazeres domésticos inventava algo só para não dizer que não estava trabalhando para fora, sentia que não trabalhar era um grande peso para mim, apesar de André não cobrar que trabalhasse eu sempre me cobrei muito. Com o tempo consegui tirar esse peso das minhas costas, hoje quando me perguntam já consigo dizer que sou mãe e dona de casa que gosta de se aventurar na escrita, e estou feliz assim.

Leia mais

Aprendizado

Fim do dia primeiro de Janeiro de 2019, pouco antes de dormir, Davi vem com uma proposta: “mamãe que tal amanhã eu ficar sem o tablet e você sem o celular, porque você só fica no celular!” e ele disse isso bem no momento em que eu colocava o meu celular para carregar. Retruquei o comentário dele é claro, mas concordei na hora com sua proposta e com um aperto de mão selamos nosso acordo.

Dia 02 de janeiro iniciou tudo normal, após às 10h da manhã, horário que normalmente permitimos que ele use o tablet, Davi me lembrou do nosso acordo, o que concordei de imediato, afirmando que ele ainda estava “de pé”.

No período da manhã, Davi fez questão de me lembrar do nosso combinado, brincou um pouco, assistiu desenho. Logo após o almoço, quando eu ainda estava sentada à mesa almoçando, ele veio se queixar que estava se sentindo entediado e desistia do nosso acordo, e eu fui firme, dizendo que não desistia, então que ele não poderia usar o tablet. Depois, comecei aquele sermão do uso controlado do tablet, do poder da palavra e do julgamento que fazemos das atitudes das pessoas, sem olhar a nossa antes. Nesse instante, André que também estava sentado a mesa disse: “isso tudo é pra você também”, na hora eu disse eu sei, mas os efeitos de suas palavras refletiram em todo meu dia.

Eu que estava cobrando do Davi menos tempo no tablet, não estava olhando para meu próprio umbigo para analisar como estava a minha relação com o meu celular, se não estava ficando tempo demais. Ao apontar o dedo para meu filho esqueci que havia outro dedo apontando para mim. Então, comecei a fazer uma autoavaliação, como havia sido meu primeiro dia do ano? será que eu havia ficado um tempo além do que deveria no celular e por isso Davi me fez essa proposta? A resposta afirmativa veio de imediato, então porque eu estava incomodada com o fato dele ficar no tablet, sendo que eu estava ficando no celular.

Nesse momento, a consciência falou mais alto, eu não estava sendo exemplo para meus filhos, eu posso dizer o que for para eles, caso minhas palavras não estejam de acordo com minhas atitudes, elas serão somente palavras ao vento, não servirão para nada.

Alí, tive a primeira lição do ano, ao querer que meus filhos modifiquem suas atitudes, tenho que modificar as minhas primeiro. Afinal, eu sou exemplo.

E como meu dia ficou mais leve sem estar o tempo todo checando o celular, quando é algo urgente a pessoa vai me ligar, e foi o que aconteceu, no período da manhã recebi uma ligação da escola das crianças, André atendeu e me passou o telefone, era só uma pendência de fácil solução.

Consegui dar mais atenção para as crianças, aproveitei melhor meu dia. Davi me disse no fim do dia que foi divertido ficar sem tablet, “mas ainda bem que o dia está acabando e amanhã estaremos livres né mamãe”. Aprendi uma grande lição com tudo isso, agora já sei como controlar melhor o tempo dele no tablet, através do meu exemplo.

A autoavaliação nem sempre é fácil, quando temos alguém que nos quer bem para nos dizer o que devemos mudar em nossas atitudes é uma grande ajuda para nossa transformação e para que as mudanças realmente aconteçam.

E eu que achei que ensinava muito a meus filhos, hoje vejo que eu aprendo muito mais, pois eles não me deixam esquecer do meu papel de mãe.

Não fiz planos no papel para o meu 2019, somente no meu coração, mas já tenho o primeiro item da lista, usar menos o celular e dar mais atenção ao que realmente importa.