Ser feliz

 

Ao ver Luana e Mariana brincarem jogando água em si mesmas com copos pensei no quanto as crianças não precisam de muito para ser feliz, o sorriso e a gargalhada vieram fácil e como disse a Luana nesse dia: “esse foi o melhor dia da minha vida!”, ela diz isso toda vez que se diverte muito. Graças a Deus ela tem dito isso com uma certa frequência.  Davi também tem o “sorriso frouxo”, dá gargalhada com um episódio de seu desenho favorito e ri sozinho enquanto inventa estórias com seus brinquedos.

Leia mais

Brasília – um novo olhar para uma nova vida

Quando mudei para Brasília em 2007, foi difícil minha adaptação. Sou natural de Campo Grande-MS e sempre morei lá, na mesma casa, e mudar de cidade foi uma grande mudança em minha vida.

O dia foi 10 de fevereiro de 2007, uma semana após meu casamento eu deixava a casa de meus pais pela primeira vez e estava indo viver minha vida de casada a mais de mil quilômetros de distância. Além disso, pedi exoneração do meu cargo e transferi meu curso de direito para cá, vim fazer o  último ano em outra faculdade.

Apesar de estar muito feliz por ter casado com o homem que eu amo e viver ao lado dele era tudo que sempre sonhei, eu não estava completamente feliz. Foi muita mudança para mim, eu que sempre vivi no mesmo lugar durante 26 anos, não conhecia muitas cidades além da minha cidade morena, me vi em uma cidade grande, completamente diferente do que estava acostumada.

Meu primeiro semestre aqui não foi dos melhores, eu na tentativa de me adaptar a tudo, André viaja a trabalho e fica um mês fora de casa, fiquei só no apartamento, ainda bem que havia nossos amigos Ricardo, Valéria e Gabrielle para evitar que eu ficasse tão sozinha.

Após me formar, estudei alguns meses para concursos, mas aí veio a remoção do André para Campo Grande no final de 2008 e eu finalmente iria voltar para minha cidade. Ficamos 9 anos lá, tivemos nossos filhos, estávamos perto da nossa família e amigos. Tínhamos uma vida tranquila. Mas depois que Mariana nasceu veio um desejo grande de mudar, não sabia se era necessariamente de cidade, queria fazer algo novo.

Quando foi em dezembro de 2017, André recebeu uma proposta de trabalho para Brasília. Nunca imaginei que um dia voltaria morar aqui. Quando ele me contou da proposta e me perguntou “e aí vamos?”, respondi sem pensar: “vamos!”. Depois de conversarmos rapidamente sobre os prós e contras, foi que após um hora dele ter recebido a proposta, já estava dando a resposta de aceite ao seu futuro chefe.

Foi aí que as mudanças aconteceram, começamos a vender alguns móveis, pois não iam caber em um apartamento. Procuramos apartamento e escola para as crianças, tudo pela internet e com a ajuda dos amigos. Estávamos naquela incerteza de como seria, como as crianças iriam se adaptar, misturado com uma imensa alegria e expectativa de mudança.

Eu e André não somos mais os mesmos de dez anos atrás, nossos pensamentos e estilo de vida são bem diferentes, e agora temos três crianças, que são nossa prioridade.

Os dois primeiros meses aqui foram de adaptação, André no trabalho, Davi e Luana na escola, eu e Mariana em casa.

Após um ano, vejo o quanto foi bom a mudança para os cinco. Davi e Luana estão adaptados, fizeram novos amigos no prédio e na escola, já se acostumaram com a rotina. André está bem no trabalho. Mariana vai para a escola esse ano. E eu estou muito feliz com a vida em Brasília.

No momento em que tudo dependia de mim, que tinha mais o que fazer em relação as crianças e a casa, foi quando me encontrei na leitura e na escrita. Sinto prazer em ler e escrever, me sinto útil, uma cabeça pensante. Vejo o quanto sou mais do que mãe e esposa, sou uma mulher que tem sonhos e desejos que são só meus, mas que não há problema nisso, que eu posso sim pensar em mim e isso não anula o meu imenso amor de mãe.

Hoje  consigo ver uma Brasília diferente, ou aliás como ela é e sempre foi, linda, onde conseguimos ver longe, sua imensidão, seu céu azul apaixonante, onde habitam pessoas de tudo quanto é lugar do Brasil e do mundo, que se encontram nas diferenças.

Quando estamos abertos a mudanças e permitimos que elas aconteçam em nossa vida, elas vêm repletas de ensinamentos e transformações que nos tornam mais fortes.

Só tenho que agradecer a Deus por ter nos dado a oportunidade de voltar para Brasília, para que com esse novo olhar eu pudesse ver sua beleza. Beleza dessa cidade que apesar de ter os defeitos e qualidades dos grandes centros urbanos, possui uma beleza sem igual.

Sinto saudades da família, dos amigos e da minha cidade Morena, minha Campo Grande, mas ainda bem que existe a internet para amenizar um pouco essa saudade.

Posso dizer que aqui é meu lar, lar da minha família, pois foi onde escolhemos estar, para sempre? Isso não sei dizer, por mais que ouça essa pergunta das crianças, não tenho essa resposta, o futuro a Deus pertence. Só sei que estamos felizes por morar aqui, peço a Deus que continue nos abençoando pelos caminhos que seguirmos.